Em primeiro lugar, é importante lembrar que indivíduos ativos são mais saudáveis, mais felizes e vivem mais do que aqueles que são sedentários. Isso é fato e serve para todos os seres humanos!

Mas, na minha experiência, as coisas são um pouquinho diferentes. Os pacientes com AR costumam evitar os exercícios físicos por diversas razões, entre elas: medo, dor, desânimo, falta de informação… Porém o sedentarismo, além de agravar a doença, pode trazer outros riscos à saúde, incluindo a obesidade, diabetes, depressão e doenças cardiovasculares.

Para quem tem AR, os exercícios são parte importante do tratamento e devem ser feitos de maneira progressiva (começando lentamente, com intensidade reduzida e sem carga) e com regularidade. Não adianta nada fazer um monte de exercícios uma vez na semana e ficar o resto da semana parado e dolorido. O ideal é realizar exercícios em dias alternados no início e, à medida que seu corpo estiver acostumado, aumentar a frequência. Você sentirá os benefícios de uma vida saudável rapidamente.

Xô sedentarismo! Viva a qualidade de vida!