Os exercícios são muito importantes para a manutenção da saúde em geral. Descubra quais deles são mais adequados para quem possui artrite reumatoide!

 Texto por: Raquel Prazeres

Revisão e supervisão médica: Dr. Breno Álvares de Faria Pereira | CRM–GO: 6128

Reumatologista e pediatra; ex-fellow researcher de Reumatologia do Children’s Hospital of Philadelphia (EUA); mestre pelo IPTSP–UFG; professor assistente da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Goiás (UFG)

 

Os benefícios do exercício físico são conhecidos por todos, mas alguns são mais adequados e recomendados para pacientes com artrite reumatoide e outras doenças reumatológicas crônicas. Eles são importantes não só para a saúde em geral, mas também por contribuir para o fortalecimento dos ossos e de grupos musculares que protegem as articulações, melhorando e ampliando seus movimentos1, ainda que feitos de forma moderada.

A artrite crônica é uma causa relevante de limitação da atividade física. Ademais, o sedentarismo pode piorar a doença, criando um círculo vicioso, que vai complicando cada vez mais o quadro e dificultando a melhora. Dor, rigidez, fadiga e a ansiedade/medo de que advenham crises de ataque/recidiva da doença podem fazer com que exercícios físicos não sejam atraentes para o paciente. No entanto, para o portador de artrite reumatoide, um programa de atividades físicas apropriado é muito importante2.

A Liga Europeia Contra Reumatismo (Eular) lançou recomendações de atividade física para pacientes com doenças reumatológicas crônicas após revisão da literatura médica sobre o assunto (especialmente doenças inflamatórias crônicas – como a artrite reumatoide – e artrose/osteoartrite). Alguns pontos importantes envolvem o potencial benefício da prática regular para reduzir a “atividade” da doença e ajudar no controle do peso corporal, diminuindo, assim, a carga imposta nas articulações3.

Alguns dos destaques dessas diretrizes são3:

  • A atividade física é parte integral do cuidado
  • Vários profissionais de saúde devem estar envolvidos no processo (abordagem multidisciplinar)
  • Os profissionais de saúde devem estar capacitados para orientar corretamente os pacientes
  • Os integrantes dessa equipe multidisciplinar devem estar atentos às contraindicações gerais e específicas para cada doença
  • A equipe deve fazer adaptação individualizada após avaliação minuciosa

Os portadores de artrite reumatoide podem e devem participar de programas de exercício regulares. Isso pode ser de grande auxílio na realização de tarefas do dia a dia, como caminhar, se abaixar e cuidar dos afazeres domésticos.

De uma maneira geral, podemos agrupar em três os tipos principais de exercícios indicados para esses pacientes2,3:

  • Alongamentos: são exercícios mais “suaves” que, praticados periodicamente e de maneira correta, promovem incremento da força e estabilidade muscular e aumento da flexibilidade, além de poderem reduzir as lesões provocadas pelo esforço das tarefas cotidianas. As recomendações são de que, numa frequência de duas a três vezes por semana, esse tipo de atividade é eficaz, também, para melhorar a amplitude do movimento articular.

Ex: ioga.

  • Exercícios de força e resistência: ajudam a fortalecer os músculos, protegendo as articulações e reduzindo a carga sobre elas. Exige controle estrito de um técnico especializado, como um professor de educação física, além da supervisão e indicação do médico assistente. O recomendado é que cada grupo muscular principal seja treinado de duas a três vezes por semana, de forma moderada.

Ex.: levantamento de peso e exercícios funcionais (como flexões).

  • Exercícios aeróbicos: incluem atividades que usam os músculos do corpo de modo rítmico e repetitivo, melhorando coração, pulmão e função muscular. É o tipo de exercício que apresenta maiores benefícios para o controle do peso, humor e saúde geral. O recomendado para esse tipo de atividade, de forma moderada, é de 30 minutos, cinco vezes na semana.

Ex.: caminhada, dança, natação.

Mas atenção: é fundamental consultar-se com seu médico antes de iniciar qualquer tipo de atividade física para que ele possa indicar, em parceria com a equipe multidisciplinar (fisioterapeutas, educadores físicos, nutricionistas, entre outros), qual o melhor tipo de exercício para o seu caso e o ritmo e frequência com que ele deve ser praticado.

Referências:

  1. Ministério da Saúde. Benefícios da atividade física [Internet]. Acessado em: 6 ago 2020. Disponível em: <https://www.saude.gov.br/artigos/781-atividades-fisicas/40394-beneficios-da-atividade-fisica>.
  2. Sociedade Brasileira de Reumatologia. Exercícios e Reumatismo [Internet]. Acessado em: 6 ago 2020. Disponível em: <https://www.reumatologia.org.br/orientacoes-ao-paciente/exercicios-e-reumatismo/>.
  3. Osthoff AKR, Osthoff R, Niedermann K, Braun J et al. 2018 EULAR recommendations for physical activity in people with inflammatory arthritis and osteoarthritis. Ann Rheum Dis. 2018;77(9):1251-1260.