Artrite reumatoide e controle de peso

Artrite reumatoide e controle de peso

 

Segundo estudo publicado no Arthritis Care & Research, a obesidade pode piorar a artrite reumatoide. Pacientes obesos tiveram resultados piores comparados com não obesos, além de terem mais chances de ser diagnosticados com pressão alta, diabetes e doença pulmonar crônica.

 

O estudo, realizado no Karolinska Institutet, no Karolinska University Hospital, Suécia, incluiu 1.596 pacientes com artrite reumatoide inicial que fizeram parte de outra pesquisa quatro anos antes. Essas pessoas receberam um questionário sobre estilo de vida e a presença de outras condições que não a AR.

 

O objetivo era descobrir se a obesidade tinha afetado os resultados de pacientes com artrite reumatoide em vários aspectos: quantidade de articulações afetadas, remissão sustentada, saúde, dor e função física geral.

 

 

No início do estudo, 12,9% de participantes eram obesos. No acompanhamento, 15,8% dos participantes eram. Os resultados mostraram que a obesidade foi associado com uma maior atividade de doença, menos pacientes em remissão sustentada, maior incapacidade física, mais dor e piora da saúde geral.

 

Para o segundo estudo, a obesidade foi definida pelos investigadores como um índice de massa corporal (IMC) de pelo menos 30, pelo menos 28 ou pelo tamanho da cintura. O IMC é uma medida da gordura corporal através da altura e peso. Um IMC entre 18,5 e 25 é considerado como peso normal. Um IMC de 30 ou mais geralmente indica obesidade.

 

Este estudo utilizou dois pontos de corte para a obesidade. O limite inferior (IMC de 28) não é a corte oficial para a obesidade. No entanto, usando-a como parte da análise poderia mostrar como o impacto da obesidade sobre a artrite reumatóide afeta aqueles que normalmente não são considerados obesos.

 

Pacientes obesos também eram mais propensos a serem diagnosticados com hipertensão arterial, diabetes e doença pulmonar crônica. Além disso, o índice de massa corpórea dos pacientes e o tamanho da cintura deles estavam relacionados à angina, ataque cardíaco ou revascularização coronária (procedimentos para restaurar o fluxo de sangue para o coração).

 

Eles concluíram que os resultados do estudo indicavam que a obesidade e a adiposidade na barriga de uma pessoa, tanto no início quanto durante o curso da doença, estavam associados com piores resultados no que diz respeito à artrite e maiores taxas de outros problemas de saúde.