Antigamente as pessoas com artrite reumatoide estavam destinadas a ter um futuro comprometido em meio a deformidades e sequelas da doença. Mas, com o avanço da medicina, a chegada de novos e inovadores medicamentos e o melhor manejo da doença através do médico reumatologista, o destino das pessoas com artrite reumatoide está mudando.
 
Nós, que somos pacientes do século 21, ao descobrir ter AR, nos faz pensar que podemos envelhecer com qualidade de vida. Há 30 anos, as pessoas que tinham AR, contavam com apenas medicamentos sintéticos que eram usados até sua dose mais alta, procurando o controle da doença. Às vezes, controlavam a doença, mas muitas outras vezes, as pessoas tinham sérias complicações causadas por medicamentos extremamente tóxicos e pouco efetivos, e, em poucos anos, apresentavam deformidades visíveis da AR.
 
Hoje este cenário mudou: a pessoa com diagnóstico no século 21 encontra, principalmente no Brasil, total condições de acesso a tratamentos medicamentosos modernos e com efeitos colaterais bem estudados, o que garante melhor segurança no tratamento da doença com promessas efetivas de controle da doença.
 
Como paciente, afirmo que a melhor forma de acreditar no futuro é pensar que hoje vivemos anos de biotecnologias médicas cada vez mais avançada: existem inúmeros pesquisadores em todo mundo pesquisando o caminho da qualidade de vida das pessoas com AR.
É preciso acreditar que um dia, quem sabe, a cura vai chegar!